ENAAL 2017
13 a 16 de Agosto

Apresentação

O ENCONTRO NACIONAL DE ANALISTAS DE ALIMENTOS – ENAAL, realizado a cada 02 anos, têm por objetivo a promoção de intercâmbio de profissionais e de instituições públicas e privadas que atuam nas diversas áreas de análises, avaliação e controle de qualidade de alimentos, da produção primária ao consumo. Além disso, contribui para o aprimoramento dos profissionais da área por meio da difusão, discussão e atualização de conhecimento.

A partir da décima quinta edição o ENAAL ampliou a sua dimensão agregando também o CONGRESSO LATINO AMERICANO DE ANALISTAS DE ALIMENTOS.

O XX ENAAL e VI Congresso Latino Americano de Analistas de Alimentos serão realizados em Belém/PA – Brasil, no período de 13 a 16 de agosto de 2017, no Hangar Convenções & Feiras da Amazônia, com o tema central “SEGURANÇA ALIMENTAR E BIODIVERSIDADE”.

A Sociedade Brasileira de Analistas de Alimentos – SBAAL, como promotora dos eventos, firmou parceria com o Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Pará – LACEN/PA e está contando também com a Universidade Federal do PA – UFPA, visando reunirem especialistas e pesquisadores brasileiros e latino americanos que durante quatro dias se dedicarão ao aprofundamento e atualização dos temas programados, tornando Belém/PA, a capital dos analistas de alimentos no período.



BREVE HISTÓRICO

O Encontro Nacional de Analistas de Alimentos - ENAAL foi idealizado por Dr. Waldomiro Pregnolato – então Diretor da Divisão de Bromatologia e Química do Instituto Adolfo Lutz (IAL).

O I ENAAL foi presidido pelo Dr. Waldomiro Pregnolato (IAL) e por Dr. Francisco Leonardo de Almeida – então Diretor do Instituto de Saúde do Distrito Federal (ISDF). Realizou-se na cidade de Brasília, no período de 04 a 07/12/1984, reunindo os Analistas de Alimentos da Rede Nacional de Laboratórios de Saúde Pública e só se tornou possível com o patrocínio do Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição e a organização conjunta do IAL e do ISDF.

As reuniões tiveram lugar no Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição, no Instituto de Saúde do Distrito Federal e no Centro de Treinamento da Telebrasília. Participaram do evento, técnicos representantes dos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (LACEN) de todas as Unidades da Federação, do Departamento de Fiscalização de Saúde do Distrito Federal, do Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição (INAN) e do Ministério da Saúde.

O principal objetivo do I ENAAL foi discutir o significado e finalidade dos paradigmas de análise, apresentando-se aqueles que devem fazer parte dos parâmetros de cada classe de alimento. Esta discussão deveria ser complementada com debates sobre a padronização de técnicas e entraves de metodologia, encontradas na execução de atividades de análises bromatológicas, avaliação das normas de controle de qualidade de alimentos e análise da legislação vigente.

Durante o evento foram revisadas as Normas para o Controle de Qualidade dos Alimentos do Programa de Nutrição em Saúde – PNS, do Ministério da Saúde, como forma de retribuição ao apoio do INAN que custeou as despesas de locomoção dos técnicos dos LACEN.

A partir do II ENAAL, realizado em 1986, o evento deixou de ser exclusivo dos LACEN e passou a ter caráter aberto a todos os segmentos da sociedade, com característica de evento técnico-científico, tendo sido organizado pela Dra. Luiza Barbosa de Oliveira da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Goiás.

Durante o III ENAAL, realizado em 1987, em Florianópolis/SC, foi identificada a necessidade da existência de uma entidade com figura jurídica própria que se responsabilizasse pela organização do ENAAL, iniciando-se assim as discussões sobre a fundação da Sociedade Brasileira de Analistas de Alimentos – SBAAL, que teve sua Ata de Fundação aprovada na Assembleia de Encerramento do IV ENAAL, realizado de 03 a 07/10/1988 em Belo Horizonte/MG.

Artesanato Marajoara

Tema Central

Para o XX ENAAL e VI Congresso Latino Americano de Analistas de Alimentos foi escolhido como tema central “SEGURANÇA ALIMENTAR E BIODIVERSIDADE”, tendo em vista a relevância do assunto no contexto nacional e internacional, a evolução dos temas desenvolvidos nos últimos eventos e a inspiração do local de realização.

Segurança Alimentar

A segurança alimentar tem ocupado de forma crescente a agenda dos debates sócio-político e científico no âmbito mundial. No Brasil no curso de um efervescente processo de construção de valores e práticas, vem apresentando impacto direto na estrutura político-institucional de distintos setores governamentais e societários.

Até os anos 1990, as concepções sobre o tema destacavam os problemas de acesso aos alimentos, escassez, fome e qualidade sanitária como principais formas de insegurança alimentar. Posteriormente, cresceu a preocupação com os aspectos de saúde e analíticos, manifestados por contrastes que vão desde a fome e desnutrição até a crescente incidência das doenças crônicas não transmissíveis, especialmente as de origem alimentar.

A política nacional de segurança alimentar e nutricional vem sendo construída e a incorporação das várias dimensões que o conceito abrange vem sendo gradativa. Essa incorporação de outros aspectos ao conceito original também foi gradativa em nível internacional. Em meados dos anos 90, o acesso ao alimento para uma vida ativa e saudável, dentro do conceito de segurança alimentar, passou a abranger questões como preferência individual, balanço nutricional e inocuidade dos alimentos. O exemplo do marco inicial de 1974 em Roma onde aconteceu a Cúpula Mundial de Alimentação, em 1986, onde se traçou a meta de erradicar a fome em todos os países do mundo e reduzir o número de pessoas subnutridas pela metade até 2015.

A questão do risco á saúde, incorporada desde então, envolve uma palavra em inglês (safety) que a exemplo do conceito geral (security) também se traduz por “segurança”. A ambiguidade desse termo, em português, que pode se referir tanto aos alimentos (seguros) quanto à prática alimentar (segura), pode levar a uma limitação do conceito. Deve-se distinguir claramente a segurança alimentar (food security) da inocuidade dos alimentos (food safety).



Biodiversidade

A palavra biodiversidade é formada pela união do radical grego “bio” (que significa vida) mais a palavra “diversidade” (que significa variedade). Pode ser definida como a variabilidade formada por espécies vivas que compreende plantas, animais e micro-organismos, que povoam desde as profundezas dos oceanos até as mais altas montanhas. A biodiversidade refere-se tanto ao número de diferentes categorias biológicas quanto à abundância relativa (equitatividade) dessas categorias. A espécie humana depende da biodiversidade para a sua sobrevivência.

O número de espécies vegetais e animais apresenta maior concentração nas áreas tropicais do planeta. Calcula-se que no Brasil estão concentrados 2/3 das espécies de plantas e animais existentes na superfície da Terra, constituindo a região de maior biodiversidade do mundo.

A biodiversidade é fonte primária de recursos, fornecendo comida (colheitas, animais, recursos florestais e peixes), fibras para roupas, madeira para construções, remédios e energia. Se os recursos naturais são de interesse econômico para o Homem, a importância econômica da biodiversidade é também crescentemente percebida. Novos produtos são desenvolvidos graças ao desenvolvimento tecnológico criando novos mercados. Para a sociedade, a biodiversidade é também um campo de trabalho e lucro. Entretanto, é necessário estabelecer um manejo sustentável destes recursos.

Na alimentação, uma das bases mais importantes é a diversidade ou variedade alimentar. Para obter uma dieta equilibrada é preciso dispor de todo tipo de produto que lhe proporcione todos os nutrientes necessários para a manutenção da vida e desenvolvimento do homem de forma saudável.

Avançamos rumo a um mundo com mais alimentos, porém menos diversidade e maior insegurança alimentar.

Estes contextos impõem aos analistas de alimentos maior responsabilidade, pois o número de pessoas com acesso aos alimentos vem aumentando gradativamente e a obrigatoriedade de se oferecer um alimento seguro, requer um grande número de profissionais a buscar novos métodos de análises que sejam econômicos, rápidos e com a qualidade devidamente controlada.

Maniçoba

Comitê Organizador

Comitê Executivo Organizador

Presidente:
Sebastião Licínio Lira dos Santos
Diretor Geral Laboratório Central de Saúde Pública do Estado do Pará - LACEN-PA

1° Vice Presidente:
Lucia de Fátima Henriques Lourenço
Faculdade de Engenharia de Alimentos - FEA/UFPA

2° Vice-Presidente:
THELMA DE OLIVEIRA ARAUJO
Depto de Vigilância Sanitária do Estado do Pará

Representação da SBAAL:
Deise Ap. Pinatti Marsiglia
Instituto Adolfo Lutz – SBAAL

Coordenação Geral:
Nailda Gomes Pantoja
LACEN-PA

Secretaria Executiva

1° Secretário:
Cléber Daniel Soares
LACEN-PA

2° Secretário:
Danielle Nazará da Silva Salgado
LACEN-PA

Tesouraria Executiva

1° Tesoureiro:
Leonardo da Silva Figueiredo
LACEN-PA

2° Tesoureiro:
Stela Angélica da Costa Brito
LACEN-PA

DEMAIS COMITÊS - COORDENAÇÃO

COMITÊ INTERNACIONAL
Ana Maria Giandon
AMG Foods

COMITÊ CIENTÍFICO
Representação SBAAL:
Márcia Bittar Atui
Instituto Adolfo Lutz – São Paulo-SP

Representação local:
Consuelo Lucia Sousa de Lima
Faculdade de Engenharia de Alimentos FEA/UFPA

COMITÊ SOCIOCULTURAL
Sônia Maria Lima da Silva
LACEN-PA

COMITÊ DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS
Valnete das Graças Dantas Andrade de Holanda
LACEN-PA

COMITÊ DE CURSOS
Rosane do Socorro Pompeu de Loiola
LACEN-PA

Bosque Rodrigues Alves

A SBAAL

A Sociedade Brasileira de Analistas de Alimentos – SBAAL, fundada em 07/10/1988, é uma Sociedade Civil sem fins lucrativos e personalidade jurídica própria, de caráter científico profissional, com vistas ao desenvolvimento da Ciência no campo da análise de alimentos, incluindo avaliação laboratorial e de campo, com os seguintes objetivos:

  1. congregar profissionais e instituições que atuam nas áreas de análise e avaliação da qualidade de alimentos;
  2. amparar e defender os legítimos interesses dos associados;
  3. promover, incentivar e divulgar o desenvolvimento técnico-científico no campo de análise e avaliação da qualidade de alimentos;
  4. promover e colaborar na organização do ENAAL – Encontro Nacional de Analistas de Alimentos;
  5. promover cursos, conferências, mesas-redondas, simpósios e encontros regionais, nacionais e internacionais na área de sua competência;
  6. manter intercâmbio cultural, profissional, técnico-científico e social com entidades congêneres do país e estrangeiras;
  7. colaborar tecnicamente com órgãos públicos e privados e com pessoas físicas no âmbito de sua competência.

De acordo com o seu estatuto possui sede móvel e atualmente encontra-se localizada no Instituto Adolfo Lutz, à Av. Dr. Arnaldo, 355 - São Paulo/SP – Fone: (11) 3068-2917.



Diretoria da SBAAL – Biênio 2015/2017

Presidente:
Deise Aparecida Pinatti Marsiglia – Instituto Adolfo Lutz – SP

Vice-Presidente:
Everaldo Queiroz de Campos Junior – LACEN-AL

Secretária:
Eloane Cristina de Paiva Silva – Instituto Adolfo Lutz – SP

Tesoureiro:
Maria Aparecida Moraes Marciano – Instituto Adolfo Lutz – SP

Coordenador de Grupos Temáticos:
Rosane Alves – INCQS/FIOCRUZ



CONSELHEIROS:

Membros Titulares:
Claudia Cavalieri Darbelly de Moraes – Gerência de Fiscalização – ANVISA
Laércio Goularte – Consultor - SC
Ana Maria Giandon – AMG Foods – SP

Membros Suplentes:
Elaine Moreschi – Nestlé Brasil
Eduardo Vicente – Instituto de Tecnologia de Alimentos - ITAL – Campinas/SP
Eliane Mara M. Rossoni – CIENTEC – RS / RENALI

Bosque Rodrigues Alves

LOCAL

HANGAR
Centro de Convenções e Feiras da Amazônia
Av. Dr. Freitas, s/n - Marco
Belém - PA
hangarcentrodeconvencoes.com.br

HANGAR - Centro de Convenções e Feiras da Amazônia